terça-feira, 27 de outubro de 2015

O Triunfo Da Mulher

Esta não é a primeira vez que me chamam de insensato ao buscar aquilo que não se encontra neste mundo! Voltei já há duas semanas e outro médico que me foi recomendado pela Marta logo depois que meu corpo começou a questionar a minha saúde, era uma figura que também comentava sobre coisas impossíveis. O desgraçado se comportava como se não soubesse que eu o conheço.

Burrice! Só alguém cego e surdo não saberia da sua imundície escondida naquele título inocente. Antes que essa baixeza toda se espalhasse, a maioria das pessoas nunca tinham ouvido falar sobre as razões que me prendem a ela. Outra maioria nunca me tinha questionado! Falam as costas os mexeriqueiros tímidos, encaram-me os corajosos, e não me entendem os racionais!

Eu, somente eu, toquei no seu amor, um sentimento palpável ela tem por mim. São realmente mistérios dos que aceitam sua condição humana, que você, oh Doutor, de olhos vedados, não pode ver.

As pessoas do coração sedento de amor esquivam-se e rendem-se aos vários amantes. Pelo medo de ter que diminuir-se ao aproximar-se dela. Em todos os séculos, em todas revoluções este sentimento que é próprio dos homens, teve essa guia. Mas você, logo você que se deliciou das várias magias femininas, confundiu a sua insaciável necessidade biológica e correspondência aos apelos da sua alma egocêntrica como um ser superior a sua espécie.
Mas eu… eu sou inferior a ela… e ela a mim. Me completo, sou absoluto e aceite!
Minha certeza de ser um realizado não vem dos contornos do corpo dela, lugar onde se acumula experiências, visões e sensibilidades que reavivam nossos sentimentos quando nossos corpos se juntam, como se tudo voltasse ao inicio do mundo. Todos os homens da terra, angustiadas ou vivos, felizes ou mortos, encontram essas fantasias dolorosas quando curtas. Monopólio dos que buscam uma felicidade relâmpago, sintoma de uma dor aguda! Que termina com uma dor cicatrizada na pele dela e transforma-se numa dor física, que a fará duvidar daquele amor eterno que lhe aguarda a vida.
Esta dúvida, Doutor, que chega aos 35 anos de idade sobre anos de agonia, noites de traumas, madrugadas traídas e segundos de felicidade, é unívoca de que não é nessa vida onde se encontra o seu amor. Ou todos são iguais a você, oh homem errado!
Não me surpreendem as novas crenças da dona Madalena. De facto, suas riquezas amargas reactivaram e regaram essa crença de que hoje não existe homens para casar. Depois do tempo perdido com vários Doutores passageiros, ela cria que contigo ia recuperar seu tempo perdido, recuperou sim, e continua perdida. Para quem a conhece ela é vulgar, mas para quem nunca a viu, será sempre a única. Como ela mesma disse: a fraqueza dos homens torna as mulheres fortes. Eis aqui o triunfo das mulheres!
*
Não contarei todos os dramas amorosos da minha mocidade. O amor tem uma história só. Encontrei-a na vida, no banco da igreja, olhemo-nos e apaixonamos como acontece com todos viventes que encontram seus pares nos espaços da vida. Anos depois amei-a. É tudo! E vivo hoje no aconchego de seus braços, embalado pelo seu perfume, encantado por sua voz, iluminado por seu olhar, aprisionado, envolvido, ligado a tudo que emana seu ser. Eis o triunfo dela! A minha crença no amor.
Sei que Doutor não! Ouve-se e ecoou nos meus ouvidos como estreou a sua adolescência. A primeira encontrou-a na vida, na cadeira do bar, olhou-a, te respondeu com suas carícias e antes de troca de identidade haviam se conhecido. Romântico, mas, sem histórico!
Ouve-se também que esteve uns dias no centro da cidade do antigo Lourenço Marques, onde a vista no centro da cidade não compensa tanto. Mas a beleza da Rosy, que lá nos bairros os vizinhos a consagra Rosinha. Zinha dentro de casa. E de Rosa pelo seu oficial namorado, compensou a sua estadia. Continuo curioso para conhecer o fim, porque me interessam as tempestades de amor mal iniciado.
Fiquei triste em saber que as riquezas de Ilha de Moçambique, aquelas pinturas mágicas da natureza, não te ofereceram consolação quando o jovem Mungone ameaçou-te de morte por ter suspeitado do seu envolvimento com sua irmã. Mungone talvez confiasse na pobreza da sua ignorância, pensasse que és um homem bom, e poderia roubar-lhe a família. Meu Doutor desventurado, aquele povo escolheu suas crenças e uma delas é que a mulher é que casa o homem. Moçambique pode ser único, mais seus povos são vários. Tem povos nas vilas, nas comunidades, nas cidades…
Juntei cuidadosamente tudo quanto me foi possível ouvir a respeito das suas viagens em nome do trabalho que no final lhe criou prejuízos amorosos. Ficou feliz em saber que tem filhos, três fora e divididas e, dois dentro. Mas fiquei triste ao saber que dos que estão fora, um é criado pela avó camponesa, outros não tenho detalhes. Enganei-me quando pensei que Doutores não têm mais de três filhos, sabem economizar.
Mas as mulheres não são assim, economista. Elas multiplicam tudo. Uma noite de amor vale um filho, uma casa - um lar. Se lhe deres compras de mercearia, ela vai dar-te uma refeição. Se lhe deres um sorriso, ela vai dar-te o coração. Já imaginaste o que acontece quando lhe dás ao contrário?
Sobre mim, infelizmente só posso historiar muitos devaneios com o mesmo amor. Amei-a e amo ela. Naquele dia inesquecível, encontrei seu corpo imóvel no mesmo banco que a confortava, seus olhos passeavam sobre tudo que lhe rodeava. Quando se fixou nos meus os seus olhos, senti, ao contemplá-la, uma estranha sensação. Não foi o que se chama de amor à primeira vista, mas, um sentimento de bem-estar delicioso, como se eu estivesse mergulhado num banho de água quente.
Ao olhá-la, toda a sua figura provocava em mim um prazer infinito. Assumo que sou insensato, ao encontrar uma mulher que tem em si algo do meu próprio espírito.
*
Ela perdeu a frescura da puberdade, mas atrai-me e prende-me com um fascínio irresistível! Só posso repetir tudo isso a mim mesmo, ao mais profundo da minha alma.

Em toda a minha vida, nunca vi tão ardente paixão e tão alvoroçado desejo aliados a tanta pureza. Posso garantir-lhe que nem em imaginação eu me sinto tão puro. Essa pureza é minha consciência limpa. Afirmo que só à lembrança de um sentimento tão sincero e cheio de inocência, pode me prender… quando distante, sinto-me abrasado até o mais profundo do meu ser.

Bolas! Todos dizem isso da sua amante não é verdade? Mas ela não é minha amante!
Doutor, minha certeza de que encontrei a mulher certa, vem da certeza de que eu sou o homem certo. Sei que sou insensato, mas não me acorda desse sentimento.


Ela não é perfeita. Seus erros, Doutor, são aplicáveis ao mundo de todas as mulheres. Mas eu cometo com ela. É triunfo dela. A minha insensatez!

Nelson Mucandze

Sem comentários:

Enviar um comentário